EDIÇÕES
ANTERIORES

2011

O começo

A estreia comprovou o que já se suspeitava: um evento extenso de quadrinhos, e pelos quadrinhos, se fazia necessário. O primeiro encontro chacoalhou Curitiba e trouxe à cidade Hervé Bourhis (França), Fabio Civitelli e Lucio Filippucci (Itália), Jens Hardes (Alemanha) e Salvador Sanz (Argentina), além de 40 convidados nacionais – entre eles Lourenço Mutarelli.

O projeto-piloto, criado sob o título Gibicon - 0, ocupou diversos espaços de Curitiba com debates, encontros e a valorização das HQs como arte maior. Mais de 10 mil pessoas participaram de 11 exposições, 11 oficinas e 20 debates e palestras. Atividades como mostra de filmes, feira literária, sessão de autógrafos, avaliação de portfólio e a Gibikids, pensado exclusivamente para o público infantil, deram ao evento um caráter amplo e democrático, características que se mantêm até hoje.

Baixe gratuitamente o programa 2011
1 / 3

O tradutor Júlio Schneider (esq.), os autores italianos Fábio Civitelli e Lucio Fillipucci dos personagens Tex, Zargor, Ken Parker da renomada Editora Bonelli (centro) e o agente Tommaso D´Alessandro (dir). Foto: Coletivo Ponto 50
2 / 3
Lourenço Mutarelli durante a palestra no SESC Paço da Liberdade. Foto: Coletivo Ponto 50
3 / 3
Os quadrinistas e ilustradores Simone Hemberck e Ivan Sória (dir.) em meio ao público durante palestra no Memorial de Curitiba. Foto: Coletivo Ponto 50
1 / 4
José Aguiar.
2 / 4
Ibraim Roberson
3 / 4
Claudio Seto.
4 / 4
João Silveira.

Frutos

A sementinha brotou. Em 2012, a então Gibicon - 1 comemorou os 30 anos da Gibiteca de Curitiba, a primeira do Brasil. Pedra fundamental na consolidação da produção e divulgação dos quadrinhos na cidade, a Gibiteca foi idealizada pelo arquiteto, colecionador e crítico de quadrinhos Key Imaguire Jr.

Em dias de celebração, foram mais de 100 convidados nacionais, como Gonçalo Jr. e Sonya Luyten, e sete internacionais, entre eles Tanino Liberatore (Itália) e Isabel Kreitz (Alemanha).

O público aumentou, o que constatou a demanda por eventos de HQ e o sucesso do formato da Bienal: 12 mil pessoas acompanharam as 11 exposições, 11 oficinas, 30 debates e 16 palestras, além de todas as ações paralelas consolidadas a partir desta edição. Em 2013, a legitimação: o evento venceu os dois principais prêmios nacionais de quadrinhos: o Troféu ngelo Agostini e o Troféu HQMIX.

Baixe gratuitamente o programa 2012

2012




Vídeo Oficial Gibicon 1

1 / 5
Debate: Mercado Europeu (a partir da esquerda) Lielson Zeni, Mawil, Izabel Kreitz, Tanino Liberatore, Fabio Civitelli, Moreno Burattini, Roberto Diso e Júlio Schneider. Foto:Liza Strapasson
2 / 5
Exposição Quadrinhos Russos no Paço da Liberdade. Foto:Liza Strapasson
3 / 5
Fernando Gonzales, Watson Portela, Moreno Burattini, Fabio Civitelli em Sessão de Autógrafos no Memorial de Curitiba. Foto:Liza Strapasson
4 / 5
A partir da esquerda, Key Imaguire, Tako X e Fulvio Pacheco na Feira de Quadrinhos no Memorial de Curitiba.
5 / 5
Tanino Liberatore autografa no Memorial de Curitiba. Foto:Liza Strapasson
1 / 5
Guilherme Caldas
2 / 5
Gustavo Machado
3 / 5
Joe Bennett.
4 / 5
Pryscila Vieira.
5 / 5
Tanino Liberatore.

2014

Em casa

Consolidada, a Gibicon - 2 não teve alternativa a não ser expandir horizontes. Foi fundamental a concentração das atividades no MuMA – Museu Municipal de Arte – Portão Cultural, que ferveu por quatro dias, com 49 oficinas, 33 debates e 16 palestras. Com sua arquitetura moderna e providencial, um amplo espaço externo, salas expositivas, anfiteatro e cinema, o MuMA se tornou a casa da Bienal. Naquela edição, foram 104 convidados nacionais. Entre os estrangeiros, os destaques foram o inglês David Lloyd, o artista coreano Kim Jung Gi, e o argentino Eduardo Risso. Ainda naquele ano, foi criado o Prêmio Cláudio Seto de Quadrinhos, idealizado para homenagear os profissionais e as publicações de HQs do Brasil. O nome do prêmio relembra os feitos de Claudio Seto, diretor de arte e quadrinista criativo na profícua editora Grafipar. O cartunista curitibano Solda estreou a leva de homenagens, e foi o primeiro a receber o Prêmio Claudio Seto de Quadrinhos. Findada a edição, estava claro: a afetividade e o compartilhamento de ideias eram as principais ferramentas para aprofundar os diálogos e expandir ainda mais o que o encontro bienal se propõe a oferecer.

Baixe gratuitamente o programa 2014


Vídeo Oficial Gibicon 2

1 / 7
A arte virou símbolo: máscara do personagem V, de “V de Vingança”, em exposição no MuMA.
2 / 7
Thiago Provin, criador do Troféu Maria Erótica e o autor homenageado Solda. Foto: Annelize Tozetto
3 / 7
Convidados internacionais da edição (a partir da esquerda) Kim Jung Gi (Coreia), Salvador Sanz (Argentina), David Lloyd (Inglaterra), Eduardo Risso (Argentina), Jean David Morvan (França) e o coordenador da Bienal, Fabrizio Andriani.
4 / 7
Exposição Kim Jung Gi no MuMa. Foto: Annelize Tozetto
5 / 7
O quadrinista e ilustrador André Caliman e o cartunista Bira Dantas participam do Duelo HQ.
6 / 7
Atividade para o público infantil no MuMA – Museu Municipal de Arte da Curitiba, hoje a casa da Bienal.
7 / 7
Risos e flagras após evento no anfiteatro do MuMA, com o britânico David Lloyd ao centro
1 / 5
Antonio Eder
2 / 5
Antonio Eder
3 / 5
David Lloyd
4 / 5
Leon Solda
5 / 5
Leon Solda
3 / 5
Lobo Limão
4 / 5
Salvador Sanz
5 / 5
Vitor Cafaggi

30 mil

Mudar para crescer. Em 2016, em sua quarta edição, a Gibicon se torna Bienal de Quadrinhos de Curitiba, redesenhando sua interação com a cidade, os projetos de continuidade e a articulação com diferentes parceiros realizadores do evento. A equipe de curadoria aumentou, em número e em experiência: Mitie Taketani, Rafael Coutinho, Heitor Pitombo, Lobo e André Caliman. Foram 153 os convidados nacionais, entre eles Laerte e Jaguar. E 7 os internacionais, como o autor catalão Joan Cornellà. O evento foi realizado novamente no MuMA. Na programação, 13 exposições, 32 oficinas, 36 debates, 15 palestras, 10 shows e três peças de teatro, além de uma nova edição do prêmio Claudio Seto, que desta vez homenageou o artista carioca Benício. Na final do Duelo HQ, duas mulheres simbolizaram a força e a relevância da produção feminina de quadrinhos. Entre as novidades, houve o Palco Ocupa, espaço aberto para debates sobre a arte do desenho, atualidades, música e performances. Outra experiência inédita foi a Bienal Publica!, projeto em que novos talentos de todo o Brasil publicaram seus trabalhos em quadrinhos, de forma gratuita. A edição 2016 teve um público estimado de 30 mil pessoas.

Baixe gratuitamente o programa 2016

2016



Vídeo Oficial Bienal de Quadrinhos 2016

1 / 5
O artista francês Philipe Pochet e Mitie Taketani, curadora da Bienal de Quadrinhos de Curitiba, no MuMA.
2 / 5
Maristela Garcia, ex-coordenadora da Gibiteca (ao centro) e Fulvio Pacheco (à esquerda), atual gestor do espaço.
3 / 5
A cartunista, chargista e ilustradora Laerte, durante debate no auditório do MuMA.
4 / 5
Quadrinhos em foco: Maria Clara Carneiro, Laerte, Lielson Zeni, Philip Pochep, e Adão Iturrusgarai.
5 / 5
Grande movimento na feira de quadrinhos, na área externa do museu.
4 / 5
Palestra com o ilustrador Benício, o homenageado da edição.
5 / 5
O autor espanhol Joan Cornellà, em Sessão de Autógrafos no MuMa.
1 / 5
Adão Iturrusgarai
2 / 5
Marcello Quintanilha
3 / 5
Power Paola
4 / 5
Shiko
5 / 5
Sirlanney

2018

Em casa

Na edição de 2018, a Bienal de Quadrinhos de Curitiba se consolidou como evento fundamental para o debate e a divulgação de importantes autores nacionais cujas obras dialogam com a nossa própria história. Com mais de 60 artistas convidados, como Gidalti Jr., autor de “Castanha do Pará” (primeira obra ganhadora da categoria História em Quadrinhos do Prêmio Jabuti), e Marcelo D’Salete (vencedor do prêmio Eisner com “Cumbe”), a Bienal de Quadrinhos 2018 aconteceu novamente no MuMA, sob curadoria de Mitie Taketani e Érico Assis. Uma novidade foi a criação de uma residência artística em parceria com o SESI, com participação de Luli, Guazzelli, Marcelo Quintanilha e Guilherme Caldas – cujos resultados criativos também foram exibidos na Bienal. Os homenageados da edição foram Key Imaguire Jr., idealizador da Gibiteca de Curitiba, a primeira do Brasil; e Júlio Shimamoto, lendário artista paulistano mestre dos quadrinhos de terror. Com o tema “Cidade em Quadrinhos”, a Bienal utilizou produtivamente diversos espaços públicos e privados de Curitiba, por sua vez retratados por artistas que entendem que podemos transformar positivamente o lugar em que vivemos.
Com um passado de sucesso e um futuro promissor, a Bienal de Quadrinhos de Curitiba seguiu sua jornada consolidada de formação, troca, divulgação e encontros transformadores.

Baixe gratuitamente o programa 2018
1 / 8
Key Imaguire Jr, homenageado da edição. Foto: Theo Marques
2 / 8
Luli Penna e Marcello Quintanilha na Residência Bienal. Foto: Theo Marques
3 / 8
Guilherme Caldas desenhando na Residência Bienal. Foto: Roberval Machado
4 / 8
Eloar Guazzelli na Residência Bienal. Foto: Roberval Machado
5 / 8
Exposição Sonhar Curitiba, de artistas curitibanos no MuMa: traços para diversas Curitibas
6 / 8
Eloar Guazzelli explica ao público da Bienal sua obra imensa e constante: “Cidade Nanquim”.
7 / 8
Juliano Enrico, criador da série “Irmão do Jorel”, em atividade no Palco Ocupa.
8 / 8
Ao final da 2018, público, feirantes, quadrinistas e equipe celebram mais uma Bienal.
1 / 3
Luli Penna
2 / 3
Marcelo D'Salete
3 / 3
Walkir Fernandes

ASSINE NOSSA

NEWSLETTER